Com pandemia, Governo diz que não tem previsão para discutir reajuste – ACS PMBM MS
sábado, junho 6 Telefone: (67) 3387-8501

Com pandemia, Governo diz que não tem previsão para discutir reajuste

Compartilhar

O Governo do Estado culpou a pandemia do novo Coronavírus e afirmou, em reunião ontem com associações representativas dos policiais militares e bombeiros, que não há previsão para discutir o reajuste salarial das categorias.

Participaram do encontro a ACS (Associação e Centro Social dos Policiais Militares e Bombeiros Militares de Mato Grosso do Sul), AOFMS (Associação dos Oficiais Militares) e AME-MS (Associação dos Militares Estaduais).

Na reunião, os representantes do Executivo ainda fizeram uma demonstração da situação econômica do Estado, da evolução da despesa com a folha de pagamento e mencionou a previsão de repasse da União ao Estado (cerca de R$ 700 milhões), devido a aprovação de projeto de lei de socorro financeiro da União.

Após argumentações das entidades, ficou definido que em julho próximo serão retomadas as negociações para tratar da reestruturação da carreira dos militares estaduais.

Além disso, foi pedido que se buscasse uma solução, ou pelo menos a minimização, dos efeitos decorrentes da recente implementação do Sistema de Proteção Social (SPS) dos militares estaduais, pois muitos tiveram perdas salariais consideráveis. A resposta: tal sistema foi resultado de lei federal e o governo estadual não tem competência legal para fazer qualquer alteração.

Jeozadaque Garcia
Assessoria de Imprensa da ACS
Com informações da AOFMS

One Comment

  • Manoel Amauri da Silva

    Eu já esperava essa atitude, essa respostá quando na sua gestão anterior colocou a culpa na queda da arrecadação o que era mentira e nós militares fomos prejudicados, agora que existe a pandemia acreditam que esse governador vai conceder reposição da inflação e reajuste salarial. E o Bolsonaro disse: em rede nacional que vetaria o reajuste salarial para os funcionários públicos de todo o Brasil, sendo eles federais, estaduais e municipais. Temos em Brasília e no Estado de MS dois ditadores extremistas .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *