Notícias | 11.abril.2017

Unidos, oficiais e praças querem reestruturação das carreiras e valorização do policial e bombeiro militar

Entidades se reuniram esta manhã na ACS. (Foto: Jeozadaque Garcia)

Entidades se reuniram esta manhã na ACS. (Foto: Jeozadaque Garcia)

Entidades representativas dos servidores militares sul-mato-grossenses definiram, na manhã desta terça-feira (11), estratégias para a negociação salarial da categoria. A segunda reunião de trabalho foi realizada na sede da ACS (Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar de Mato Grosso do Sul) e reuniu representantes de praças e oficiais das corporações.

“Foi uma reunião para definir índices de reajustes que serão solicitados. É importante a união entre as entidades classistas, já que vamos buscar maior valorização dos policiais e bombeiros, independente do posto ou graduação. Nossa expectativa é sermos atendidos no nosso pleito, pois estamos sem reajuste desde o início do atual governo”, definiu o coronel Alírio Villasanti Romero, presidente da AOFMS (Associação dos Oficiais Militares de Mato Grosso do Sul).

Entidades estão unidas na busca por valorização profissional. (Foto: Jeozadaque Garcia)

Entidades estão unidas na busca por valorização profissional. (Foto: Jeozadaque Garcia)

O último reajuste concedido aos policiais militares e bombeiros de Mato Grosso do Sul foi dado em dezembro de 2014. O aumento foi resultado do aquartelamento feito pelos servidores em maio de 2013, que garantiu três reajustes no período de um ano e sete meses.

Em 2015, o aumento não foi dado, sob justificativa de que reposição havia sido ‘adiantada’ pela gestão anterior. A ACS, então, judicializou a questão.

Já no ano passado, um abono de R$ 200 foi dado a todos os servidores, além de correções nos quinquênios. O Executivo, porém, garantiu a verticalização, luta antiga da ACS. Assim, até 2018, o salário de um soldado em início de carreira chegará a 20% do que ganha um coronel.

“Considerando que os policiais militares e bombeiros trabalham com dedicação exclusiva, com carga horária excessiva por vezes, esperamos que o governador aplique uma política de valorização salarial que atenda as duas instituições, do mais moderno ao mais antigo. Vamos trabalhar para que isso seja plenamente possível”, afirmou Edmar Soares da Silva, presidente da ACS.

Também participaram da reunião representantes da AOCBMMS (Associação de Oficiais do Corpo de Bombeiros), Aspra-MS (Associação de Praças da PM e BM de MS), ABSS-MS (Associação Beneficente dos Subtenentes e Sargentos), APBM (Associação dos Praças Bombeiro Militar), e ABM/MS (Associação dos Bombeiros Militar Praças e Oficiais Oriundos das Praças).

Jeozadaque Garcia
Assessoria de Imprensa da ACS


Curta Nossa Página no Facebook