Notícias | 11.maio.2018

Entidades querem acesso a eventuais projetos de alteração na legislação da PM e BM

Ofícios foram entregues esta semana nos Comandos e na Governadoria. (Foto: Divulgação)

Ofícios foram entregues esta semana nos Comandos e na Governadoria. (Foto: Divulgação)

Entidades representativas dos servidores militares sul-mato-grossenses solicitaram, esta semana, audiências com os comandantes-gerais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros com o objetivo de tomar conhecimento e esclarecimentos sobre possíveis alterações na legislação dos servidores. Um ofício com a solicitação de uma reunião também foi protocolado na Governadoria.

O documento ainda solicita cópias de eventuais projetos de lei em andamento no âmbito dos Comandos Militares, Secretaria de Estado de Administração e Governo do Estado, que tenham por objetivo alterar a legislação dos militares estaduais, e que estejam em fase de estudo ou que já tenham sido finalizados e encontram-se na iminência de serem enviadas ao Legislativo.

O ofício é assinado pelos representantes da ACS (Associação e Centro Social dos Policiais Militares e Bombeiros Militares de Mato Grosso do Sul), Aspra (Associação de Praças da Polícia Militar e Bombeiros Militares do Mato Grosso do Sul), e ABM (Associação de Bombeiros Militares Praças e Oficiais Oriundos das Praças do Estado de Mato Grosso do Sul).

Para Sérgio Maciel, diretor de comunicação da ACS, a integração das associações é o anseio e também o sonho da tropa há muito tempo. “Com o tempo, os resultados positivos virão, pois o desejo da coletividade irá se sobrepor aos interesses pessoais. Esta união das associações também é de ideias, projetos e força, podendo criar novas lideranças no campo político para defender os interesses dos militares estaduais”, disse.

Rafael Ribeiro, porta-voz da ASPRA-MS, explica que é preciso que todos tenham conhecimento do teor de tais mudanças, para que assim, possam levar o assunto para apreciação da categoria, que é quem detém o poder de dar a última palavra sobre a viabilidade ou não de projetos que alterem suas carreiras.

“Nós defendemos a participação dos representantes da categoria nos projetos que tratam da nossa carreira, sobretudo aqueles que podem suprimir direitos, pois, somos os mais interessados e não queremos tomar conhecimento de que há uma pretensão em mudar a nossa legislação pela imprensa”, enfatizou Rafael.

A iniciativa de reunir os representantes das entidades com o objetivo de traçar estratégias e ações conjuntas se deu diante de informações da existência de inúmeras alterações legislativas em estudo no âmbito das corporações PM e BM, onde os representantes das carreiras de praças se reuniram, a fim de traçar estratégias conjuntas e ações que possibilitem as respectivas participações, nas discussões referentes à quaisquer modificações que eventualmente possam vir a ser implementadas nas carreiras de Praças da PM e BM.

Para Juliane Pinheiro, porta-voz da ASPRA-MS, este é um momento histórico no que diz respeito à luta das entidades de classes que representam o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar de MS, que esperam contar com o apoio de seus associados.

“É preciso que todos compreendam que somente unidos, poderemos concretizar o sonho de uma carreira digna e democrática, onde a opinião dos verdadeiramente interessados possa ser ouvida e para que consigamos fazer a diferença quando os assuntos referentes à nossa vida funcional, for objeto de apreciação pelo executivo”, disse Juliane.

Com informações da Aspra/MS


Curta Nossa Página no Facebook